segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Então chega uma hora em nossa que é necessário romper as barreiras

Barreiras essas que nos impedem de seguir nosso curso

Que nos impedem de crescer

Barreiras que nos limitam e nos faz escravos de nós mesmo,

Chega um momento na vida que se escolhe morrer ou viver

Pois existem muitos sobrevivem... Deixaram de viver

Não basta só existir, é necessário viver

E viver em plenitude, com satisfação.

È chegada a hora da travessia

È chegada a hora em que é necessário limpar os armários e as gavetas da alma

Embora tudo tenha seu preço

Paguemos o justo preço por nossas escolha

Escolha de optar pela felicidade

Que nada mais é que a missão predestinada a cada um de nós.

A busca e o encontro da felicidade.

Sandra Vieira

terça-feira, 23 de novembro de 2010

II-Encontro dos Escritores do Facebook- Fragmentos do Face-Manisfesto pela Educação e Cultura


II-Encontro dos Escritores do Facebook- Fragmentos do Face-Manisfesto pela Educação e Cultura

Dia 20 de novembro em São paulo foi realizado o II Encontro dos Escritores do Facebook.Momento esse que foi maravilhoso na troca do saber,na interação que também é um dos objetivos do evento,unir pessoas.

Foi falado e discutido varios topicos dentre eles-

Realização de encontros nas capitais,

Lançar a Primeira colêtania do fragmentos do Facebook,

Criar grupos dos Escritores da Alegria,realizando leituras em comunidades carentes,hospitais,asilos...etc,

Lançar a campanha para a arrecadação de livros,visando a constituição de bibliotecas e realização da leitura e do exercicio da escrita como elementos canalizadores da educação,

A importancia do conhecimento na formação do cidadão,

O comprometimento que todos temos ao nos dispor a realizar um trabalho social,nos tornado assim mediadores no processo de formação do cidadão,

Esses foram os assuntos mais abordado no Encontro,dentre vários outros.

Na verdade foi um verdadeiro encontro de almas,almas essas puras,sonhadoras e determinadas em fazer desse mundo um lugar melhor para todos.

Assinam no dia-

Andreia Bossoes

Joanita Sacramento

Roberto Sanches

Sandra Vieira

E todos os nossos amigos e colaboradores que estiveram virtualmente presentes como o nosso grande amigo Silvio Belbute.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Claude Debussy - Clair de lune




A melodia entra em meus poros, buscando um endereço certo.*
Nessa travessia,ela causa as mais diversas sensações.
A claridade da lua vai inundando o meu corpo que, em resposta, entra em êxtase e profundo deleite.
È como se recebesse asas me permitindo alçar voo, cada vez mais alto.
Quem sabe ao encontro da lua e sua luz?
Assim vou, viajando, divagando, me embriagando de tanto brilho e alegria."

terça-feira, 16 de novembro de 2010

50 anos



Quinze de novembro!
O que hà de màgico em completar 50 anos que me tràs uma alegria imensa?
Por que?
Deveria ser um aniversàrio como todos os outros ,mas não é.
Estou em festa dentro de mim.
Coração acelerado.
Uma alegria inexplicàvel que jorra aos borbulhões.
Não preciso de presentes pois o  maior jà recebi.
50 anos!
Meio século!
Bodas de ouro comigo.
È realmente indescritìvel!
Não importa se estou sozinha ou acompanhada.
O que vale é estar comigo.
Em perfeita harmonia.
E sem dùvida, com Deus que me proprciona esse dia.
Os amigos são muito bem vindos, importantes sim.
Fazem abrilhantar mais ainda esse momento.
Desnecessàrio presentes.
A presença é o que conta.
Serà que isso é amadurecimento?
Ou serà sintonia completa comigo e com Deus?
Pode ser tudo junto.
Não me importa.
Importa a alegria e felicidade incontidas.
Sim!
Estou realmente feliz!
Muito feliz.
Parabens a mim por estes 50 anos vividos e sobrevividos.
Pelas conquistas.
Derrotas.
Tristezas.
Alegrias.
Foram o tempero.
E que venham quantos outros vierem , com tudo isso.
Não dispenso nenhum desses temperos.
E quando fecharem as cortinas, estarei pronta e feliz!
Hoje é o meu dia!
Viva!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Poder do Batismo









São aproximadamente onze horas da noite de sexta feira.
Tudo corre na mais perfeita ordem.
Um plantão sem tumulto, até que chega uma mãe desorientada, pedindo aos prantos que socorram a filha, um bebê de 6 meses, que està febril e  inerte em seus braços.
O pediatra, ao examinar, constata um caso grave de infecção generalizada que jà acometeu todo o organismo, com sangramento gàstrico. Como de rotina, inicia a corrida para encontrar um CTI infantil, sem sucesso.
A cirurgiã, logo pensa se a criança é batizada mas não diz nada.
Em seguida chega a avò, tambem aos prantos,em frente dela, diz que a neta não é batizada.
Ela a acalma se comprometendo a batizà-la assim que fosse para a enfermaria.
Passado algum tempo, quando não tinha mais nenhum atendimento, vai ao berço da criança e pede à enfermeira um copo com agua.
È um momento ùnico. Ela nunca tinha batizado alguem antes, apenas foi madrinha. 
Com cuidado asperge agua na fronte do bebê e diz como os padres fazem.
Terminado o sacramento, continua rezando com a mão sobre a criança.
Apòs algum tempo, que não sabe se foi longo, despede das enfermeiras e vai para o quarto descansar.
Ao dar o primeiro passo, sente que não tem forças e precisa se amparar nas paredes para andar.
Consegue chegar ao quarto e deita-se. Naquela noite não houve mais nenhum atendimento.
Acorda às sete horas e como de costume visita seus pacientes e em seguida vai para casa sem pensar mais no acontecido da noite.
No domingo ,quando chega ao hospital, no elevador, a enfermeira ,que esteve no plantão, vem dizer estupefata e radiante:
- Dra, depois que a senhora batizou a menina ela parou de sangrar, não teve mais febre e està recebendo alta hoje.
Ela compartilha da alegria,dizendo:
-Sério? Que noticia boa!Deus é maravilhoso!
Seu coração dispara. 
Uma sensação estranha.
Que experiência linda com Deus!
Que força tem o Batismo.
Que honra ser canal do Seu Amor!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Doce novembro

Amor meu
o sono chega
e com ele
o medo
medo de sonhar
medo de te encontar
mais uma vez apenas em sonhos
doce novembro chegando
de mansinho trazendo lembranças
esperanças
mudanças
vou te ver amor meu
mais uma vez
voaremos
amaremos
seremos como sempre fomos
mesmo que nesta vida apenas em sonhos
seremos novamente um só
neste doce novembro
doce amor
te espero
mesmo que seja apenas uma vez só

ele me conhece tão mal

se sinto dor
se estou com frio ou com calor
se tenho lágrimas para te dar
se ainda sei como te amar
ele me conhece tão mal
fizeste teu julgamento
sem saber o que trago de fato aqui dentro
meu tormento
é não ter tido tempo para falar
você foi
eu fiquei
cresci
mudei
aquela menina
não mais existe
uma mulher floresceu
amadureceu
até mesmo envelheceu
e tu continuas
a me conhecer tão mal
e eu te espero
não sei porque
por orgulho
por amor
ou eu é que te conheço tão mal

CONVERSANDO COM MINHA ALMA




Ontem, disse: “Só penso em escrever pra ver se passa. Quantos goles de mim mesma terei que tomar até ficar sóbria? Não sei...” Desejei partir e me procurar, para esquecer meus sofrimentos em alma cansada, que já não me agüentava e queria fugir de mim...

Nem fui. Acabei ficando. Precisava discutir a relação comigo. Discuti. Lavei roupa suja no meio da rua. Escrevi versos aos berros, mostrei aos amigos, que comentaram. Botei tudo em pratos limpos com minha alma mendiga. Ela respondeu-me:

- Amiga, por que tardaste tanto a vir conversar? Por que juntar tanto lixo, tanta mágoa, tanta imundície?

- Não sei, respondi-lhe. Talvez tivesse medo de te enfrentar... da dor que iria calar como punhal.

- Esperas chamar a faxineira quando a casa está limpa?

- Não. Chamo quando há sujeira, claro.

- Vais ao endocrinologista quando estás magra?

- Claro, que não, tu sabes. Vou quando estou saindo do invólucro!

- Viste? Dizes que és guerreira, mas és covarde.

- Não me insultes, alma vagabunda. Filha perdida de uma qualquer, que se dizia valente.

- Sou tua filha, não me faças rir, criatura doente!

- No início, me chamavas de amiga. Agora, passei a ser criatura doente? Que espécie de alma és tu?

- Sou teu sub-consciente, que fala contigo, e que te diz a verdade; que embora não aflore está sempre te acompanhando. Sou como uma sub-camada tua – envolto num véu, pareço ausente – mas quando precisas de amparo, venho e me torno teu interlocutor, portanto sou também o agora.

- Alma, me pareces bela...

- Sei que sou interessante! Tenho meus momentos!

- Não sejas ególatra, Alma!

- Logo quem falando em egolatria, valha-me Deus!

- Vamos deixar Deus fora desse papo, Alma?

- Estou aqui para te ajudar. Vi que sofrias. Vim conversar. Estavas me arrastando pelas calçadas. Isso dói, sabias? Sou pesada, mas nem tanto!

- Culpa daquele desgraçado. Mandou-me flores. Joguei as flores e a alma na sacola e ficou pesada como chumbo, como terra arrasada. Vim com a alma arrastando pelas calçadas do Centro...

- Confessate, eu sabia! Conta o resto. E de uma vez.

- Depois ele mandou os e-mails, dizendo que fica à tocaia. Espiando como ladrão pela fechadura, para me ver à saída do trabalho. Passado todo esse tempo, Alma! Havia esquecido desse traste. Podia ter nascido morto, não faria falta à humanidade...

- Não fala assim, guria, Deus castiga!

- Tá bom. Mas aparecer agora? Pra bagunçar minha vida? Estava normal, equilibrada, feliz. Isso é karma. Arrastei você até a noite, de novo. Subi e desci ladeiras. Precisava me acalmar. Esquecer. E veio a história do outro... com a minha melhor amiga! Daí não suportei. Só enchendo a cara. Queria me matar, matar você, matar o cara. Fiquei de cara.

- Não tenho culpa, guria...

- Eu sei Alma. Mas és só tu – minha amiga, abrigo, meu último gole de vida – eterna companheira.

E assim, minh’alma exausta, despediu-se e foi descansar, no travesseiro das Almas Cansadas. Antes, um derradeiro conselho:

- Nossas prosas precisam acontecer mais vezes, guria. Achas que deves esperar teus olhos encharcarem, a visão turvar, o cálice transbordar, o rio secar, o leite derramar? Vem, amiga, vem mais seguido.

Concordei que essas conversas são imprescindíveis e inadiáveis.

E ela se foi. Ou não. Alma, estás aí?

Ouvindo Pessoa




Sábias palavras escuto

Do mestre Fernando Pessoa

Só quem não vive um amor

Não sofre e não se magoa!

tentar esquecer

vou tentar apagar você
da minha vida
do meu mundo
do meu pesar
do meu sonhar
vou tentar não te amar
não me preocupar
se estás bem
se estás com quem
se com quem estas te faz bem
vou tentar saber se tentas
me esquecer
assim como eu

CLONAGEM




Será que achei meu Avatar?

Meu Deus, onde você se escondeu?

Você, na verdade, sou eu!

Preciso dar um tempo




Agora vou me matar um pouco.

Como náufraga,

à procura da última bóia salvadora,

parto à procura de mim mesma.

Vou embriagar-me de poesia

para esquecer tanto sofrimento,

que já nem cabe nessa alma cansada

desejando uma ressaca para se livrar de mim

Do pouco que sei

De tudo que sei
do pouco saber
do pouco que tenho
do muito te dei
acima de tudo amei
em silêncio meu amor sufoquei
além de mim
amor meu
te guardei
não busquei
não te dei
do pouco que sei
de ti
do teu cheiro
do teu olhar
do teu amor por mim
do pouco que sei doce amor
do muito que te dou
apesar do pouco saber
apesar do muito querer
em teu casulo se guardou
do pouco que sei
você contigo levou

Vou dar um tempo

Pensei em te esquecer
pensei em não pensar
desejar
sonhar
entregar
como viver sem entrega
sem sonhos
sem te esperar
sem teu amor?
apenas irei me afastar
vou dar um tempo
chega de dor
a espera dói
fere
angustía
maltrata
vou dar-te um tempo
borboleta
voltando a ser lagarta

Na busca de ti, encontrei

Na tua busca
Vaguei
Em busca do teu amor
vacilei
Em busca de uma palavra
Calei
E nesta busca
não encontrei
Busca vazia
busca sozinha
buscando você
buscando o porquê
nesta busca
perdi você
na busca de ti
encontrei a mim...

Ser

Ser eu
ser seu
ser meu
ser o ar
ser o mar
ser o sonho
ser a alma
ser o gozo
ser o amor
ser a dor
ser o cura tua dor
ser o que teu causa dor
ser a que te devolve o amor
ser tua
simplesmente tua
e nada mais
além de ser
teu ser

Morte

 ao flertar comigo
ao me oferecer abrigo
ao se fazer amigo
morte que se faz presente
diante de um coração descontente
diante do amor ausente
Romeu e Julieta
Tristão e Isolda
amores que a morte levou
amor que a morte ultrapassou
através do tempo
através do vento
morte....
o amor te superou...

Eu espero

calada
isolada
por vezes amargurada
espero
espero por ti
espero por mim
espero
o amor
que me afaste a dor
espero amar
espero sonhar
espero acordar
despertar
até o infinito
amar
em teus braços acordar
espero deixar de esperar

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Do Outro Lado


Do outro lado

Hoje minhas lagrimas se transformam em orações

São lagrimas não de desespero

Mas sim de uma lembrança, vivida e revivida várias vezes em minha memória

Momentos de alegria e comunhão com quem hoje já não esta mais aqui.

Esse do outro lado...

Não significa necessariamente a morte do corpo ou a transferência da alma.

Muitos morrem quando decidem ir de nossas vidas.

Ou quando decidimos que se vá...

A morte em todos seus mistérios me é subjetiva.

Morre-se e se nasce tantas vezes.

Quantas vezes morremos para alguém e renascemos para outrem?

Quantas vezes matamos alguém e deixamos que outro renasça em seu lugar?

Quem sabe sobre os mistérios?

De sentimentos, de perdas muitas vezes mascaradas de ganhos. Que nem percebemos...

Somente a vida pode responder a morte.

A vida, esta em toda sua magnitude.

Somente ela é capaz de desvendar seus mistérios.

Por que a vida sempre vence.

Aqui.

E do outro lado.

Sandra Vieira

Bom Dia!


Bom Dia!
Senti uma vontade imensa de encontrar você, conversar.
Saber das novidades.
Por isso estou aqui.
Tem dia que o coração grita de saudade.
Uma necessidade de estar junto por algum tempo.
Desculpe se não avisei nem marquei hora, mas sou assim.
Gosto mais do inesperado. Da surpresa.
Cheguei!
De braços abertos para dar e receber um abraço bem gostoso e uns beijinhos.
Como é bom!
Tenho algumas coisas a dizer.
Eu gosto muito de você.
Eu te amo.
Você é especial e faz falta para mim.
Tanto faz que não suportei sua ausência.
Você me conhece e sabe que sou assim.
Sigo o comando do meu coração.
Falo o que sinto sem reservas.
Bom encontrar você, meu querido amigo.
Esse encontro acalmou meu coração.
Estou feliz por saber que lhe encontrei bem.
Obrigada pela acolhida.
Jà me vou!
Deixo meu amor e amizade.
Levo a alegria e o calor da sua receptividade.
Namastê!

Por hoje chega...


Por hoje chega de tanta hipocrisia

Sorrisos sofistas

Por hoje chega de conformismo

De falta de amor ao proximo

Por hoje chega de preconceito

Que machuca tanta gente

Por hoje chega de fome

por tanta gente que se julga melhor e nada divide

Por hoje chega de cativeiros

Onde aprisionamos e somos aprisionados

Por hoje e para sempre

Eu desejo a liberdade

Eu desejo a igualdade à todos

Eu desejo vida

E vida em plenitude


Sandra Vieira


segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Tempestade em Mim


Frio

Calor

Chuva

Sol

Vento... Ventania...

Loucas sinestesias em minha alma

Loucas emoções em busca de abrigo

Para esta tempestade que se faz em mim

Tempestade essa necessária

Para lavar toda a dor, toda a tristeza...

Para poder se tornar enfim

Sol em mim.

Sandra Vieira

domingo, 24 de outubro de 2010

Hoje à Noite


Hoje à noite

Hoje à noite eu só quero seus braços

Encaixar-me no seu corpo

E sentir seus beijos


Hoje à noite

Quero matar minha saudade

Saciar meu desejo

Embriagar-me com teu cheiro e teu gosto


Hoje á noite

Você é meu

Eu sou tua

Unidos pelo amor e pelo desejo.


Hoje à noite

Temos somente a lua como cúmplice

Desse momento sublime

Que é amar você.

Sandra Vieira

sábado, 23 de outubro de 2010

Menino maluquinho!




Mensagem

Chegou

Sem texto

Cabeça

Sem nexo

Culpa

De tanto sexo

Tudo parece

Fora

Do contexto

Corpo

Cansado

Suado

Saudoso

Marcado

Macerado

Exausto

Êxtase

Esse

Sempre

Sexo

Sem

Sair

(do Pensamento)

Semeia

Sem-vergonhice

Somente.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Mudanças...


Tenho percebido o quanto as pessoas se acostumam com o difícil

Achavam que era assim mesmo.

Infelizmente se acostumaram a entender sempre...

Que ser forte era enfrentar o difícil.

Era enfrentar a escuridão de maneira conformista

Ate que um dia chega alguém ou uma situação e nos mostra

Que não é necessário tanto esforço assim

Que andas dedicando muito da tua energia no difícil

Por que viestes de uma cultura onde pessoas eram fortes

Não por serem inteligentes

Ou por estudarem ou por realizarem projetos

Mas por serem submissos e omissos

Tanto na vida em sociedade quanto em suas vidas pessoais

Criavam-se cativeiros sutis e mascarados

Aos quais estavam acostumados

Deixavam-se aprisionar por situações ou

Relacionamentos infelizes em nome de uma crença

Ou mesmo por imposição social

O véu da alma foi rompido

Os tempos mudaram

As pessoas mudam

E eu também mudei.

Sandra Vieira

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

MÃO ÚNICA



Mas tu não me respondes,

és conciso.

Fechado

Enfeixa-se em concha

o narciso.

Somente o que se esconde:

prejuízo.

Vai, eu te absolvo!



Não há divergências.

Não mais.

Entre o fim e o nada,

Existe a dor e a solidão.

Não sei bem,

Se consciente

Ou inconscientemente,

Buscaste isto.

O nada. O fim.

Eu fiquei com a dor e a solidão.

Triste sina a minha:

Ser sempre o porto de partida.

Agora estás de volta

Ao ponto aonde tudo começou.

Teu porto é o ponto

Para todas as idas do teu ser.

Eu serei a porta de saída,

A ponta da tua vinda,

A vida do teu renascer.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

MINHA FILHA





É meu Avatar.

É minha versão em tecnicolor.

É mais raçuda que eu.

É a ira e a delicadeza.

Ela sou eu, amanhã de manhã,

Depois do amanhecer,

Depois de acordar na praia,

Depois do café da manhã,

Depois de transar,

De rezar e crer,

De ajoelhar e saber,

De ter certeza,

De chorar de tristeza,

Depois de fazer chover,

De cantar e rir pra valer

De viver toda beleza,

De morrer de gargalhar,

De falar com Deus,

E renascer

De beijar as estrelas,

Abrir a gaiola,

E soltar o pássaro que estava preso.





terça-feira, 19 de outubro de 2010

Rosa de Hiroshima




Vinicius, ao escrever essa mùsica, nos mostra a ignorância que é uma guerra.

Como a humanidade não entendeu a razão de estar aqui.
Sò podia ser Vinicius...
Usar a rosa que sempre foi vista como personificação do amor!
"Pensem nas feridas como rosas càlidas"...
Aqui , como a humanidade, ela se desviou de seu objetivo.
Ela destroi e altera a ordem natural da vida!!!
"Mas não se esqueçam da rosa,
da rosa...
da rosa de Hiroshima.,

A rosa hereditària"
que fere,
mutila
deixa sequelas...
"estùpida e invàlida"....
A rosa doente...
sem cor...
venenosa...
"sem perfume"...
belicosa...
"sem amor!
sem nada...
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica"!!!!

Combustivel da Vida



Descobri que a alegria e felicidade incomodam as pessoas.
Elas não entendem quando se exterioriza esses sentimentos com atos como abraços, carinhos.
Que pena!
Não sabem como é prazeroso!
Como um simples abraço dado com amor pode causar grandes mudanças e até mesmo provocar curas.
Por isso o mundo està tão triste e doente.
Falta carinho, abraço, beijo.
Uma palavra amiga.
Alegria.
Aconchego.
Não consigo viver como um robô, sem sentimento.
Necessito dar e receber.
È meu combustivel.

Seguindo em frente




Caminhando e tocando em frente!

Mesmo que seja doloroso,sofrido,cansativo.

Outras vezes vem a vontade de fazer como Jò:
deitar embaixo de uma àrvore e esperar a morte chegar.
Como temos instinto de sobrevivência aguçado, vamos indo.
Arrastando pelo chão, outras vezes amparado pelos amigos que estão de pé, que nos estimula, alimenta, cuida de nossas feridas como o bom samaritano.
Aos pouquinhos nos fortalecemos, levantamos e seguimos a passos largos.
Aì é a nossa vez de sermos o bom samaritano.
E tudo se repete...
Fazendo com que a vida continue...